Entrevistas
Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau
Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau
Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau
Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau Fort Romeau

Alataj entrevista Fort Romeau

Michael Green, ou Fort Romeau, como é conhecido, vive um momento expressivo de sua carreira como um dos artistas mais proeminentes quando o assunto é intensidade na pista de dança. Não apenas como produtor, mas também como DJ, o artista solidificou seu trabalho no cenário da música eletrônica mundial com apresentações que percorrem os melhores clubs e festivais do mundo, além de lançamentos em gravadoras de renome como Permanent Vacation, Ghostly International, Running Back, Phantasy Sound, Dekmantel, entre outras.

O britânico também comanda seu próprio label, Cin Cin, por onde lança seus próprios projetos e também de outros artistas, com um foco especial na pista de dança. Seu último lançamento é o EP FWD NRG, apresentado pela Phantasy Sound, com uma faixa original do artista em uma pegada um tanto quanto diferente da que estamos acostumados a conferir e o resultado é igualmente fantástico. Conversamos com o artista sobre esse release e outros assuntos que compreendem nosso cenário atualmente. Confira.

Alataj: Oi  Michel, tudo bem? Obrigada por conversar com a gente! Vamos começar pelo seu último release, o FWD NRG. Ele vem em uma linha mais acelerada, algo um pouco diferente de suas produções. Como aconteceu esse processo criativo?

Fort Romeau: Bem obrigado, obrigado por me receber. Eu gosto de experimentar coisas diferentes, especialmente com singles e EPs. Eles são uma boa plataforma para tentar novas ideias. Realmente começou com uma ideia de fazer esse tipo de quebra com uma atmosfera de que tudo parece estar derretendo e o tempo simplesmente desmorona. Me pareceu um contraste mais interessante juntar isso a uma faixa rápida e muito reta, então o contraste é mais interessante.

A faixa recebeu o remix de AceMo, que manteve a linha acelerada e trouxe até mesmo um aspecto mais raver para ela. Como aconteceu o encontro entre vocês? 

Fiquei sabendo de suas coisas no ano passado. A gravadora Phantasy também pensou que ele seria um bom remixer para a faixa, então parecia fazer sentido naturalmente.

Achei interessante o fato de você produzir uma faixa bem mais intensa, justamente em um período em que estivemos distantes da pista de dança. Como você lidou com a sua criatividade e produtividade neste período de isolamento?

Na verdade, comecei a fazer a faixa em 2019 – nos velhos tempos, antes do mundo fechar – mas de certa forma é bom lançar ela agora, pois espero que as coisas estejam começando a ficar um pouco melhor. Geralmente, eu considero bem fácil me manter ocupado fazendo música, já que literalmente não há mais nada a fazer!

Antes de sua carreira solo como DJ e produtor você integrou a  banda de Electro-Pop La Roux. Como foi essa experiência? De alguma forma ela impactou no trabalho que você realiza hoje, artisticamente e profissionalmente?

Foi uma época muito louca e fico feliz por ter tido a experiência de tocar em uma banda com popularidade em um nível tão alto, tocando em muitos lugares e palcos que tenho certeza que não tocarei novamente, então foi uma ótima experiência. Em termos de como isso afeta minha própria música, não tenho certeza se há uma grande quantidade de crossover, pois eu já estava fazendo minhas próprias produções ao mesmo tempo e antes mesmo de entrar na banda.

Você coleciona lançamentos em labels imponentes e, ao mesmo tempo, coloca novos talentos em evidência através do seu próprio selo, Cin Cin. Você acha que as grandes gravadoras se movimentam bastante para dar espaço a novos artistas? O que te chama a atenção no trabalho de um artista para convidá-lo a lançar no selo?

Na verdade, eu só lanço faixas que gostaria de tocar ou acho que são legais – o foco da gravadora definitivamente tem sido as faixas de pista de dança, mas sempre com um pouco mais de personalidade do que apenas ferramentas para a pista. Em termos do que as grandes gravadoras fazem, eu acho que é uma arena totalmente diferente em geral – não estamos operando no mesmo universo de muitas maneiras.

A globalização e tecnologias dominaram o mundo e elas trouxeram algumas mudanças para o cenário da música eletrônica no geral, para o bem e para o mal. Quando retornarmos, se você pudesse excluir alguma coisa, cultura ou costume que estamos vivendo, o que seria? E adicionar?

Acho que um dos principais pontos positivos é que nunca foi tão fácil para um artista ser independente e divulgar sua música. O outro lado, é claro, é que há muito mais música e tantos artistas no mercado que pode ser difícil de atravessar através desse barulho todo. Acho que o papel dominante do Instagram como plataforma de mídia social de hoje é prejudicial para os músicos, pois é apenas um meio visual – pelo menos o Myspace tinha o tocador de música! O Instagram muda o foco cada vez mais para abraçar os aspectos da cultura da celebridade, que eu acho que são geralmente tóxicos para qualquer tipo de criatividade e arte desenvolver – geralmente eu acho que apela e incentiva os piores aspectos da nossa natureza.

Acho que para a música independente realmente prosperar, ela precisa existir fora das principais plataformas musicais de hoje e os locais como Bandcamp são uma boa maneira de encontrar um meio-termo entre o acesso instantâneo e os artistas de apoio para seus trabalhos.

Para 2021, podemos saber alguma novidade que vem por aí?

Há muitas coisas em andamento, mas nada que eu possa realmente mencionar ainda 🙂

Para finalizar, uma pergunta tradicional do Alataj: o que a música representa em sua vida?

Deixe as difíceis questões metafísicas para o fim! A música é definitivamente uma grande força motriz na minha vida, é difícil imaginar uma vida significativa sem ela!

A música conecta.

Compartilhe